ENCONTRO MARCADO    
VÍDEO    BIO    OBRA    CRÍTICA 
ZÉ ANDRADE

22 de janeiro de 1952 – nasce José Andrade Santos, que mais tarde adotará o nome artístico Zé Andrade, em Ubaíra (Bahia). Filho de Oscar José Santos e Áurea Maria Andrade Santos.

1955 – acontece um encontro marcante do menino Zé Andrade com as ilustrações dos livros infantis de Monteiro Lobato. Lembrança que permanece em sua memória.

1962 – transfere-se com a família para Nanuque (Minas Gerais) em busca de melhores condições de vida.

1969 – trabalha num grupo de teatro amador como ator e cenógrafo.

1972 – conclui o 2º grau em Salvador.

1973 – transfere-se para o Rio de Janeiro. Vive temporariamente nas areias de Copacabana, como um hippie.

1974 – conhece artistas e começa a fazer esculturas com cerâmica.

1975 – faz o curso de desenho publicitário no SENAC com o cartunista Jorge Guidacci. Paralelamente é colaborador do jornal O Pasquim, onde faz caricaturas que são fotografadas para ilustrar matérias e entrevistas.

1978 – faz sua primeira exposição individual no SESC - Tijuca. A exposição chama a atenção da crítica e vira o curta-metragem Barro Humano, dirigido pelo cineasta Vitor Lustosa.

1980 – participa da importante mostra coletiva Criaturas I, juntamente com Millôr Fernandes, Jaguar, Henfil e Veríssimo.

1981 – participa do famoso Salão do Humor em Piracicaba (SP).

1983 – participa de várias manifestações contra o sistema de opressão. Com os poetas Franklin Maxado, Sá de João Pessoa, Raimundo Silva, Expedito Silva e os gravadores Ciro Fernandes e Marcelo Soares, funda um partido político – o Partido Kordelista.

1987 – expõe no Salão Negro do Congresso Nacional, principalmente, as obras referentes ao movimento de redemocratização do país.

1989 – participa da exposição coletiva no Museu Rafael Bordalo Pinheiro, em Portugal.
Faz performance pelas ruas de Lisboa. Personificando a figura de Ricardo Reis, heterônimo de Fernando Pessoa, conversa com as pessoas e ganha a primeira página nos jornais lusitanos.

1990 – realiza oficinas de escultura no Salão do Humor do Piauí.
Participa da exposição Vincent Van Gogh un die moderne e faz uma performance usando a máscara do famoso pintor impressionista holandês.

1991 – realiza oficinas no Curso de Formação de Professores, na Escolinha de Arte do Brasil durante 5 anos.
Participa da I Bienal de HQ, no Rio de Janeiro, no evento promovido pela revista Playboy, onde foi revelada por Zé Andrade, Juca Kfouri e Moacyr Cirne a identidade do famoso quadrinhista erótico Carlos Zéfiro.
Participa do projeto cultural Encontro Marcado Com A Arte, patrocinado pela IBM.

1992/93 – participa de exposições coletivas em homenagem a Jorge Amado no Museu Nacional de Belas Artes e a Ulisses Guimarães no Museu da República.

1994 – reproduz 400 figuras de doze dos mais renomados escritores brasileiros a serem homenageados na Feira do Livro em Frankfurt, na Alemanha. Ano em que o Brasil foi o país tema.

1996 – trabalha intensamente para que os personagens que retrata estejam nas livrarias, cinemas de arte e instituições culturais.

1999 – realiza uma exposição individual em 9 de setembro, no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro.